Skip to content

Observatório das Empresas

Tecnologia Inteligente

Como as calças de ganga airbag e os coletes de alta tecnologia podem tornar as motas mais seguras

Por Katy Scott, CNN Business

Protótipo de calças de ganga

Um protótipo de calças de ganga airbag, desenvolvido pela Airbag Inside Sweden AB.
Crédito: Moses Shahrivar

Orleans, França (CNN Business) Em equilíbrio sobre duas rodas, sem uma carcaça protetora, conduzir uma mota é muito mais perigoso do que conduzir um carro. Nos Estados Unidos, por exemplo, os motociclistas têm cerca de 28 vezes mais probabilidade de morrer num acidente do que os ocupantes de automóveis.

No entanto, as inovações em airbags poderão ajudar a manter os motociclistas em segurança.

Há 16 anos, Moses Shahrivar desenhou o seu primeiro par de calças para motociclismo, em colaboração com a Harley-Davidson Suécia, com um forro de couro protetor. Agora, leva a sua ideia mais longe. A sua empresa Airbag Inside Sweden AB concebeu um protótipo de calças de ganga muito resistentes que escondem airbags dentro das pernas.

O utilizador ata as calças de ganga à sua mota e, se cair, os airbags são acionados, enchendo-se com ar comprimido e amortecendo o impacto na parte inferior do corpo. O airbag pode então ser esvaziado, reabastecido com gás e colocado novamente nas calças de ganga para poder voltar a ser usado, explica Shahrivar.

A Airbag Inside Sweden AB está em vias de obter a certificação das calças de ganga segundo as normas europeias de saúde e segurança, enquanto continua a submetê-las a uma série de testes de colisão.

A empresa angariou 150 000 euros (180 000 USD) da União Europeia para desenvolver a ideia e prevê que as calças de ganga estejam disponíveis no mercado em 2022. A empresa francesa CX Air Dynamics lançou uma campanha de crowdfunding para desenvolver uma ideia semelhante.

Coletes Airbag

Shahrivar diz que é a primeira vez que este tipo de proteção estará disponível para a parte inferior do corpo.

A tecnologia equivalente para a parte superior do corpo já existe há mais de 20 anos. Os coletes de airbag para moto podem ser colocados debaixo de um casaco, protegendo o peito, pescoço e por vezes as costas.

As primeiras versões eram atadas à mota, como as calças de ganga de Shahrivar, mas recentemente foram desenvolvidos airbags eletrónicos autónomos, que utilizam sensores de alta tecnologia para detetar quando o motociclista está prestes a cair.

Entre os sistemas de airbags autónomos no mercado encontra-se um criado pela empresa francesa In&motion.

A empresa começou a conceber airbags vestíveis para esquiadores profissionais em 2011 e desde então adaptou a tecnologia para motociclistas. Em vez de utilizar uma corda para acionar o airbag, criou um "cérebro" constituído por um GPS, giroscópio e acelerómetro. Um pouco maior do que um smartphone, esta caixa é colocada na parte de trás de qualquer colete compatível.

“Os sensores medem os movimentos em tempo real e o algoritmo é capaz de detetar uma queda ou um acidente para inflar o airbag imediatamente antes de uma colisão", diz Anne-Laure Hoegeli, gerente de comunicação da In&motion, à CNN Business.

A caixa mede a posição do motociclista 1000 vezes por segundo. Assim que é detetado um "desequilíbrio irrecuperável”, o airbag dispara e infla completamente para proteger o tórax, abdómen, pescoço e coluna vertebral do utilizador, explica Hoegeli. O processo demora apenas 60 milissegundos.

Homem com colete vestido atrás de uma moto. 

A In&motion produz coletes de airbag de alta tecnologia.
Crédito: Alban Nieroz

A In&motion angariou recentemente 10 milhões de euros (12 milhões USD) em financiamento para expandir na Europa e nos Estados Unidos da América.

Embora o funcionamento básico seja semelhante ao de outros airbags eletrónicos no mercado, a In&motion tem um serviço de subscrição por assinatura, explica Emma Franklin, editora adjunta da Motorcycle News. “O sistema tornou, de muitas formas, os airbags mais acessíveis às pessoas comuns", diz Franklin à CNN Business.

Os motociclistas podem comprar a caixa por 400 USD ou alugá-la à In&motion por cerca de 120 USD por ano. Os utilizadores em França também têm acesso a uma configuração que desencadeia um alerta para os serviços de emergência, em caso de acidente.

Embora a proteção com airbags seja agora obrigatória no MotoGP e no Rally Dakar, os airbags não são um requisito legal para os motociclistas de estrada, mas Franklin acredita que são uma inovação importante em matéria de segurança.

Richard Frampton, Professor sénior em Segurança Automóvel na Universidade de Loughborough, no Reino Unido, diz que não tem havido muita investigação académica sobre a eficácia dos coletes de airbag para motociclos, uma vez que ainda são bastante recentes para os condutores de estrada. Mas apontou para a investigação do Instituto Francês de Ciência e Tecnologia para Transportes, Desenvolvimento e Redes, que concluiu que os coletes de airbag ofereciam uma boa proteção em velocidades de impacto reduzidas, cerca de 30 a 40 quilómetros por hora (18 a 25 milhas por hora).

“Dos poucos trabalhos, estudos de caso e artigos que vi, parecem ser um dispositivo muito útil", afirma Frampton.

“Sou a favor deles - o peito, o pescoço e a coluna vertebral são áreas que podem sofrer lesões fatais".

Em associação com

cnn-business