Skip to content

Observatório das Empresas

Tecnologia Inteligente

e-skin: A pele eletrónica que pode monitorizar a sua saúde

Por Hazel Pfeifer, CNN Business

video

Hong Kong (CNN Business)  Os médicos podem estar apenas a alguns anos de conseguir monitorizar os seus sinais vitais através de uma pele eletrónica (e-skin) que se pode vestir.

Investigadores no Japão afirmam ter desenvolvido uma pele eletrónica (e-skin) ultrafina e leve que é fixa à zona do peito com spray de água e que pode ser usada durante uma semana de cada vez.

A tecnologia foi desenvolvida por Takao Someya, professor na Faculdade de Engenharia da Universidade de Tóquio. Ainda tem de ser submetida a ensaios clínicos, mas Someya afirma ter começado a trabalhar com parceiros para desenvolver processos de fabrico.

Feito de um material flexível - álcool polivinílico - com uma camada de ouro, o e-skin é um sensor utilizável que pode captar sinais tais como batimentos cardíacos e impulsos elétricos do movimento muscular.

Um pequeno transmissor sem fios preso ao peito enviará os dados dos batimentos cardíacos para um smartphone ou portátil próximo, ou para a nuvem, permitindo que um médico o monitorize remotamente.

“E-skin é a próxima geração de vestíveis", diz Someya à CNN Business. “Hoje em dia, os vestíveis convencionais têm a forma de relógios e óculos inteligentes, que são volumosos. Em contraste, o e-skin é fino, leve, extensível e durável".

Concebido para pessoas mais idosas

Este sensor foi concebido tendo em consideração o rápido envelhecimento da população japonesa. Para que os cuidados de saúde à distância sejam mais eficazes, Someya diz que é importante monitorizar a saúde das pessoas idosas durante longos períodos de tempo com elevada precisão. Devido à sua durabilidade, o e-skin é uma ferramenta poderosa para monitorizar doenças crónicas como diabetes, bem como insuficiência cardíaca. Pode também ajudar a detetar sinais precoces de doença.

Someya também está a desenvolver um ecrã LED, em parceria com a Dai Nippon Printing (DNPCF), para ser usado na parte de trás da mão do utilizador. Concebido para pessoas mais velhas ou que tenham dificuldade em utilizar um smartphone, mostrará dados de batimento cardíaco transmitidos pelo e-skin sob a forma de gráficos grandes e de fácil compreensão. Pode também exibir emojis simples - incluindo um coração e um arco-íris - enviados por amigos e familiares a partir de um smartphone, para ajudar os idosos a sentirem-se ligados aos seus entes queridos.

O ecrã LED desenvolvido pelo Grupo Takao Someya na Universidade de Tóquio.

O mercado e-skin valia cerca de 4,5 mil milhões USD em 2019, de acordo com um relatório da Grand View Research. Porque o e-skin é altamente flexível, por vezes com a capacidade de se reparar a si próprio, tem potencial para ser utilizado na robótica, próteses e cuidados de saúde.

Someya e a sua equipa começaram a desenvolver o e-skin para robôs no início dos anos 2000. E existe outra pesquisa do seu laboratório que está a ser desenvolvida para o mercado através de duas empresas derivadas - Signtle, para aplicações médicas, e Xenoma, para vestuário inteligente.

E-skin para atletas

Xenoma integrou o e-skin em pijamas que podem monitorizar a temperatura na cama, e roupas desportivas para monitorização de fitness.

A startup fez uma parceria com a praticante de Taekwondo Mana Umehara para ver como o e-skin pode beneficiar atletas de alto rendimento. A sua tecnologia monitoriza os movimentos do seu corpo e envia as informações para um computador portátil, onde o software as traduz em visualizações de dados. Este tipo de monitorização de movimento normalmente requer várias câmaras, afirma Someya.

Durante a pandemia, Umehara não conseguiu treinar com o seu treinador, mas através do e-skin, enviou os dados da sua performance para que o seu desempenho pudesse ser monitorizado remotamente.

“Agora posso obter instruções mais precisas, numéricas, de quantos centímetros devo esticar [o meu movimento] ou quão potente deve ser”, afirmou à CNN Business.

Someya afirma que o 5G terá um “tremendo impacto” nas tecnologias vestíveis, incluindo o e-skin, aumentando a quantidade de dados que podem ser transmitidos sem fio e a alta velocidade, dando aos utilizadores acesso às suas informações de saúde em tempo real.

“O objetivo final do e-skin é monitorizar facilmente todos os diferentes tipos de informação humana, em qualquer lugar e a qualquer hora, sem perturbar as atividades diárias”, afirma.

Em associação com

cnn-business