Skip to content

Tecnologia

Tecnologia Inteligente

Como a tecnologia "wearable" ajudou os atletas de elite durante a pandemia

Por Sandy Thin, CNN Business

video

Londres (CNN Business) Desde a Premier League inglesa até à NFL, o desporto é uma indústria multimilionária, e as equipas de topo estão cada vez mais a recorrer à tecnologia para obterem vantagens.

Até agora, a recolha de dados do desempenho dos atletas era um processo trabalhoso. Os treinadores e cientistas do desporto passavam horas a compilar informação de jogos e sessões de treino, retirando a informação relevante para o desenvolvimneto dos seus atletas. Mas a análise do desempenho baseada na tecnologia mudou tudo isso.

Atualmente, os atletas podem usar dispositivos ou coletes com capacidades de rastreamento GPS que registam a velocidade e distância que correm, bem como os impactos no seu corpo. A informação ajuda os treinadores a desenvolver planos de treino para evitar o cansaço do atleta e maximizar o desempenho para os dias de prova.

A STATSports, uma empresa com sede na Irlanda do Norte, é líder na indústria de análise do desempenho. A maioria das equipas da Premier League inglesa (EPL) utiliza a sua tecnologia, assim como as equipas de topo de rugby e de futebol americano.

Em 2018, a empresa garantiu um acordo de cinco anos com a Federação Americana de Futebol, que, segundo informações, valeria 100 milhões GBP (1,2 mil milhões USD). A STATSports afirmou que veríamos milhões de jogadores americanos, em todos os níveis, a utilizaarem os seus dispositivos.
"Quando fundámos a empresa há 12 anos, esta tecnologia estava a dar os primeiros passos", disse o cofundador da STATSports, Sean O'Connor, à CNN Business. "Agora, é comum na maioria dos desportos, em todos os níveis, e trata-se de poder tirar o máximo partido da mesma".

O software Sonra 3.0, lançado pela empresa em 2020, permite às equipas ver dados quase instantaneamente num iPad ou num relógio da Apple (AAPL), para que, mesmo durante a competição, jogadores e treinadores possam obter feedback e ajustar táticas a meio do jogo.

STATSports

STATSports analytics por ser usado em telemóveis.

Desempenho do jogador

Tom Allen tem sido o principal cientista do desporto do Arsenal Football Club desde 2017. Afirma que os jogadores, assim como os treinadores, estão agora a mostrar interessa nos dados de desempenho.

"Quando comecei, nenhum [jogador] estava realmente muito preocupado com estas estatísticas", afirmou. "Agora, todos estão habituados a ver a informação enviada para os telefones e têm muito interesse na forma como estão a melhorar".

"Os atletas de elite são sempre muito competitivos. Eles querem saber, 'porque é que alguém consegue fazer mais do que eu? Eu devia estar a fazer mais do que isso', e eles estão a incentivar-se uns aos outros".

No último ano, a tecnologia também tem sido utilizada para acompanhar o desempenho fora do campo de treino. Enquanto o Reino Unido entrava em confinamento em março de 2020, e a Premier League inglesa estava temporariamente suspensa, os clubes utilizaram dispositivos STATSports para monitorizar os seus jogadores enquanto treinavam remotamente.

"Passámos por um regime muito duro para tentar prepará-los para o que viria depois da COVID", explicou Allen "Tínhamos tabela de liderança e colocámos lá toda a gente, e assim, a competição aumentou muitíssimo".

Equanto a liga estava suspensa, a STATSports compilou um "relatório de proximidade do jogador" que mostrava quanto tempo durante as sessões de treino os jogadores passavam a menos de dois metros um do outro - a distância mínima recomendada pela política de distanciamento social do governo. A EPL apresentou os dados ao governo como parte dos seus esforços para reinicar a liga.

Infiltração descendente

Segundo a Grand View Research, a indústria de análise desportiva poderá valer 4,6 mil milhões USD até 2025, com a tecnologia a começar a infiltrar-se até ao nível amador.

Empresas como a Catapult da Austrália - que também trabalha com equipas de EPL - e a STATSports, desenvolveram sistemas direcionados para o mercado amador, permitindo aos utilizadores comparar o seu desempenho com o dos seus pares e com o dos atletas profissionais.

"Pode criar um liga com os seus amigos, pode também comparar-se com os profissionais de elite, e avaliar onde se encontra em relação a eles", diz O'Connor. "Existe um enorme interesse por isto e está a crescer".

"A próxima vaga de avanços tecnológicos virá das crianças e jovens jogadores".

Em associação com

cnn-business